h1

À minha menina-moça

8 de março de 2012

Passei boa parte desse meu quase 1/4 de século achando o 8 de março um “mimimi” sem tamanho.

“mimimi não sei quantos % de desconto na semana da mulher”;

“mimimi mulheres que queimaram soutien”;

“mimimi trabalhar fora, cuidar do marido, da casa, dos filhos e ainda ter tempo para se cuidar”;

“mimimi a bunda e o peito da mulher na mídia”;

“mimimi mulher quer mesmo é receber flores”

e “mimimi”, e “blá blá blá” e “lero-lero”.

Não tinha paciência para nada disso até conhecer uma menina-moça que me fez desvendar as entrelinhas de cada “mimimi” desses aí.

Uma menina de nome extenso e  pomposo: “Executiva nacional de estudantes de Comunicação Social”, popular e carinhosamente conhecida como ENECOS.

Foi ela que, em cada espaço de diálogo, Encontros e pré-encontros, grupo de discussão ou trabalho, mesa, painel, brigada, alojamento, viagens de ônibus pelo Brasil, centro acadêmico, seminário de formação e espaço cultural descortinou um mundo desconhecido frente aos meus olhos e fez com que eu me percebece não só como sujeito histórico e transformador da sociedade ao meu redor, mas também como MULHER.

Essa menina me fez sentir o peso do que representa ter nascido mulher em uma sociedade que se constituiu sobre a lógica de que fomos criadas a partir da costela de um homem com o único objetivo de ampará-lo e servir como depositório de seu esperma, e que nossa ambição os tornou alvos fáceis da serpente do mal. Que por sermos fêmeas, ficaríamos em casa, cuidando da cria, enquanto o macho se encubia da caça. Que não teríamos direitos e não seríamos reconhecidas como cidadãs. Que não seríamos donas de nossos corpos, escondendo-o para sermos valorizadas ou vendendo-o para a sustentação do capital.

“Mas pera aí, que Lógica machista, patriarcal e opressora é essa?”

Foi assim que ela ensinou a pensar e a dizer quando me mostrou um outro caminho, um outro projeto de sociedade onde nós, mulheres, podemos ser tratadas de igual para igual.

A ENECOS me tirou a  vergonha de me reconhecer feminista quando me provou por A+B que, embora nos seja bradado todos os dias que o mundo não precisa mais do feminismo porque as mulheres já chegaram onde queriam, isso na prática, nos números, nas estatísticas, não é verdade.

Muito menos a cada caso de violência contra a mulher.

Ela me mostrou que avanços existem sim, mas que todos eles vieram graças a um longo (e ainda não terminado) processo de lutas àrduas daquelas que tiveram a audácia de não se dininuir perante as inúmeras opressões sofridas.

A ENECOS me apresentou uma rede de mulheres que guerreiam por um Mundo igualitário, não importa o quanto isso doa,  idependente de estarem às margens do Xingu ou no alto dos seus prédios de classe média: nas ruas e nas lutas do dia-a-dia, elas se reconhecem como pares.

E por falar em pares, quantos e quão maravilhosos companheiros feministas você também me apresentou, heim, menina? ^^

Porque você não é um ente metafíisico que existe por si só, mas sim pela crença de homens e mulheres que se reúnem em torno de suas bandeiras de luta e constróem a manhã desejada.

Uma menina que mesmo  atuando primordialmente na comunicação social não está de olhos vendados às questões que aparentemente extrapolam sua alçada, encarando-as como fruto de um mesmo sistema cuja máxima é a exploração do homem pelo homem e a superação é a luta de classes, não importa que digam que ela deixou de existir.

Hoje, mesmo não sendo orgânica na construção da executiva,  fico muito feliz de saber que suas meninas se reúnem em um coletivo florido de lutadoras cujas formulações eu também ajudei a construir.

E por ter a digital  dessa menina cravada no peito – que marca profundamente todos e todas que têm seu caminho cruzado por ela – é que pra sempre vou ter o orgulho de ter sido uma flor da ENECOS.

Feliz 8 de março, lutadoras!

Abaixo, seguem algumas formulações das flores da ENECOS

E a cartilha completa em:

Manual das flores

Para conhecer melhor essas e outras pautas da Executiva, acesse: http://enecos.org/

E o coletivo ENECOS Pará:

http://enecospa.wordpress.com/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Lúcio Flávio Pinto

A Agenda Amazônica de um jornalismo de combate

Grupo Ecosol

Grupo de Pesquisa em Economia Solidária

Das Lutas

Coletivo

[PONTO DE PAUTA] para o livre debate.

Destina-se a abordar criticamente acontecimentos relacionados à política, à economia e à cultura no Brasil, na Amazônia e no Pará em contraponto com a visão editorial conservadora dos chamados grandes órgãos de comunicação.

Ginecosofía

Sabiduría Ancestral de las Mujeres

CINE CCBEU

Em fase de treinamento.

Cine Líbero Luxardo

Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves

CINE OLYMPIA

Em fase de treinamento.

Centro Cultural SESC Boulevard

Em fase de treinamento.

BLOG DO BARATA

Em fase de treinamento.

Site da Enecos

Em fase de treinamento.

Xingu Vivo

Em fase de treinamento.

Hupomnemata

Em fase de treinamento.

Manuel Dutra

Em fase de treinamento.

%d blogueiros gostam disto: